Entrevista: Ana Slika

Depois que perdeu sua irmã, Ana Slika encontrou no trabalho o escape para não ter que lidar com o luto. Depois de meio ano num ritmo insano de produtividade, adoeceu. Mas, ao contrário do que se possa pensar, a pausa forçada que foi o clímax da pior fase de sua vida é lembrada por Ana como algo positivo. Para ela, “pessoas que passaram por problemas são mais interessantes”.

Carreiras que passam por problemas são mais interessantes também. Foi no meio dos perrengues que Ana conheceu o que, hoje, acredita ser seu superpoder: conectar-se profundamente com as pessoas que retrata. A partir daí, decidiu virar fotógrafa de família. “Como antes existia o médico de família, eu acompanho vários momentos: o casamento, a gestação, o nascimento dos filhos, os aniversários”, explica.

Também foi enquanto cuidava da saúde que ela se tornou amiga (e, depois, a humana) do golden retriever Yamandu. Com perfil no Instagram e depois de ser personagem de matérias da mídia nacional, ele passou a ser conhecido a ponto de “indicar” trabalhos para Ana.  É que em sua planilha de clientes, há um campo para registrar como o contratante chegou até ela e, neste ano, pelo menos três vezes os clientes disseram ter conhecido o trabalho da Ana, graças ao Yamandu.

 

Sabrina Abreu

view all post
Quero comentar
Comentários (2)
Ana • 2 anos ago

Sou fã ??

reply
Sabrina Abreu • 2 anos ago

Somos <3

reply

Que tal compartilhar sua opinião com a gente?

By Daniele Zedda • 18 February

← PREV POST

By Daniele Zedda • 18 February

NEXT POST → 34
Share on